Cartilha da bovinocultura de corte

Manejo Sanitário

A manutenção da higiene, sanidade e bem-estar animal é fundamental para o desenvolvimento da  ovinocultura de corte. O manejo sanitário do rebanho envolve operações de vacinações e controle de zoonoses importantes para obtenção de um rebanho sadio e lucrativo. As perdas econômicas que ocorrem devido ao emprego de métodos inadequados de vacinações e doenças no animal podem atingir proporções elevadas. Esta cartilha detalha a importância das vacinas, os cuidados com o a manipulação do produto e higiene nas vacinações, temas essenciais que o produtor deve considerar e manter durante a prática da produção animal.

Cartilha da bovinocultura de corte

Instalações rurais

As instalações para a produção de bovinos de corte devem se caracterizar pelos aspectos relacionados com a funcionalidade, resistência, economia e segurança. Instalações inadequadas podem comprometer a qualidade do produto final, por causa da ocorrência de hematomas e ferimentos na carcaça e de furos, cortes e riscos profundos no couro bovino que depreciam o valor comercial do produto, reduzindo assim a rentabilidade do produtor.

Cartilha da bovinocultura de corte

Manejo pré abate

O manejo pré-abate de bovinos já foi amplamente estudado e contempla resultados concretos na literatura científica que o mesmo influencia significativamente a qualidade da carne, do couro, bem como o aproveitamento da carcaça. Essas perdas estão relacionadas às contusões, porém, há outra modalidade de perda que é ocasionada pelo estresse vivenciado por bovinos durante o manejo, na propriedade ou em abatedouros mal planejados, que eleva o pH da carne e diminui a sua vida útil. Portanto, o conteúdo aqui apresentado, é extremamente importante, devendo-se olhar para sua propriedade e buscar colocar em prática as recomendações desta Cartilha.

Circular técnica

Boas práticas para o controle das invasoras das pastagens com aplicações aéreas

A pecuária no Estado de Mato Grosso é uma atividade de grande importância social e econômica, abrangendo mais de 24 milhões de hectares de pastagens e empregando direta e indiretamente milhões de pessoas, gerando renda significativa para a economia do estado e do país. O controle das plantas invasoras dessas pastagens com a aplicação aérea de herbicidas é, na maioria dos casos, a única alternativa viável devido às grandes áreas envolvidas e à impossibilidade de se efetuar esse controle com métodos convencionais, devido à sua extensão e as dificuldades operacionais.